quinta-feira, 22 de maio de 2014

Desapegue


É muito mais difícil eu me apegar a pessoas. Coisas são muito mais fáceis de lidar e nelas eu posso confiar. Então tenho um apego por tudo que é meu, especialmente se eu precisei fazer algum sacrifício para consegui-las. Se eu precisei lutar. 

Já pessoas, aprendi na infância, vão embora rápido, quer cheguem de repente ou devagar.

Aconteceu várias vezes e pra me poupar do sofrimento acabei aprendendo a não me ligar muito às pessoas. Não me apegar. 

Aprendi a brincar sozinho. A estudar sozinho. A sonhar sozinho. A viver sozinho. 

Por isso, agora é mais difícil me apegar a alguém. É um processo lento e quase ninguém tem paciência pra isso. Estou destoado da minha própria geração, em que tudo – até o amor – é muito rápido, intenso e descartável.

Então, acho que veio dai, do desenvolvimento desse desapego às pessoas, a minha falha em sentir saudade

Em consequência, hoje consigo me desapegar das pessoas com tanta facilidade com que se esquece de um objeto qualquer quando ele quebra, por mais que o amassemos antes. Se for alguém mais importante pra mim, no inicio é mais difícil, eu sinto falta e posso pensar no que levou aquilo com frequência. Mais esse tempo é muito rápido. Aquilo fica em mim, é uma fase intima e passageira e quase ninguém vai perceber que eu me abalei. Depois a vida segue, como sempre segue. O que pode ser algo bom, em algum sentido. 

E claro, se foi uma coisa boa sempre dá saudade

7 Cochichos atrás da porta:

Beatriz disse...

Quem me dera, ter esse dom. Eu fico tão ligada a algumas pessoas, que quando elas vão, eu fico mal por meses. Em questão a objetos, só me apego mesmo aos meus livros de magia e alquimia, que são verdadeiros tesouros pra mim.

Homem, Homossexual e Pai disse...

vou ler e reler seu post ! preciso aprender a me desapegar! acho que é uma das muitas coisas que ainda tenho que trabalhar em minha personalidade! abs!

Sam Peregrine disse...

Beatriz e HHP...
Sei que isso parece ser bom, mas só mostra como eu sou meio quebrado. De qualquer forma já tentei ensinar isso pros meus amigos e eles não aprenderam muito bem não rsrs. Talvez são seja algo que se possa ensinar kkk

M. Horn disse...

Tive que ler esse post umas 3 vezes para conseguir entender um pouquinho do que tu quis passar, e sabe a minha conclusão?! Não consegui chegar a conclusão nem uma, não sei definir se isso é bom ou ruim, mas sei definir - que não conseguiria ser assim, por mais que quisesse, ou que fosse 'melhor' assim. Tenho o problema de me apegar fácil e rápido as pessoas. E isso é o que me faz sofrer muitas vezes, mas ao mesmo tempo aprender coisas que jamais imaginei aprender. Gostei do que escreveste, e gostei muito mesmo. Estarei mais vezes por aqui heim. Abração Querido!

Sam Peregrine disse...

M.
É assim mesmo. As vezes nem eu me entendo :P
Seja bem vindo :)

Anônimo disse...

Também preciso aprender um desapego como esse. É como se eu já soubesse que qualquer objeto de afeição será perdido no momento em que uma relação mais significativa for estabelecida. Por isso caio numa dualidade de: não-irei-me-apegar-pois-isso-será-perdido X estabelecer um vínculo profundo. E no fim eu só quero é um desfecho rápido.

Marcelo Dantas disse...

Eu guardo meus boletins do ensino fundamental ao ensino médio. Mas não tenho nenhuma mensagem, presente ou fotos de ex's. Não sei dizer se é um dom se desapegar como vc verbaliza no trxto, nem sei se é sorte. Pra mim é estranho lembrar das juras do sentimento e depois do rompimento e algum tempo não pensar como antes e nem senti vontade. Já me dizeram que é pelo fato de ser um muito orgulhoso ou auto suficiente, mas isso nada têm a ver com o fato de me desapegar tão fácil, tirando minha mãe que a pessoa que mas tenho plano os demais ficaram no passado. Como disse pra mim é uma sensação estranha de explicar ainda mais de entender. Concordo com o final do texto a cima depois de um rompimento ou outra coisa "no final eu so quero um desfecho rápido".

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...