domingo, 23 de março de 2014

As Cartas Que Eu Não Mando #7

Depois do fim do mundo


Para Minha única exceção

Como as coisas mudam. Eu disse que não ia superar. Que não ia passar. Mas sabe, já faz um tempo que você não mais perturba meu sono. 

Foi em dezembro. Um dia antes do fim do mundo. Foi nesse dia, nesse dia que eu cochilei em uma cama no mesmo quarto que você. E no limiar do sono, ao som de músicas que não me vem a minha memória, eu sinto como se toda aquela necessidade de você tivesse ido embora. E não foi o fim do mundo. Foi o fim do amor, talvez. 

Eu me dei conta, deitado perto de você, que você estava ao meu alcance. Eu poderia simplesmente pular em cima de você. Me jogar. Ou ao menos falar alguma coisa. Dizer que te queria. Que você deveria ficar comigo e que eu seria capaz de te fazer feliz. Mas não fiz nada disso. Eu poderia, mas não fiz. Ai me veio à dúvida se eu queria realmente fazer isso. Se eu realmente faria isso um dia. Qual era o tamanho do meu amor. E eu não pude responder com tanta convicção.

Não acho que deixei tudo aquilo pra traz. Todo esse sentimento não dá pra esquecer. O primeiro amor será sempre uma doce lembrança.Você estará sempre no meu coração. Mas não mais me dói o peito. Não mais me tortura. 

Vamos ver se isso é definitivo ou vou ter que voltar aqui mais uma vez para te pedir, em cartas que nunca entregarei, mais uma vez pra ficar comigo, só comigo, e tentar te convencer que eu serei capaz de te fazer feliz.

Fim.

8 Cochichos atrás da porta:

Anyone disse...

Quem sabe se você simplesmente fosse claro e direto com ele, ele possa te surpreender, quem sabe com um sentimento que você não espera. apenas tente falar com ele novamente, seja claro com o que quer, se não der resultado, você ao menos parará de sofrer

Anônimo disse...

Isso não cheira a boicote... Isso é um auto-boicote!!! É como se você fingisse viver... As pessoas não precisam saber o que você quer... Elas, inclusive, não sabem!!! Dê a cara a tapas, como certamente ele deve ter dado!!! E se te derem um tapa, sorria, pois você acabou de aprender algo =D
Desculpe pela rispidez de alguém que nem te conhece, mas, por incrível que pareça, tive uma história estranhamente parecida com a sua e na mesma data de término (dez/13)... Quem sabe você tenha mais sorte do que eu, mas precisará tentar...
Você poderá amar vários, mas nenhum igual ao outro... Mas no fim, não poderá escolher com qual ficar...
Quer algo? Faça-o...

Sam Peregrine disse...

Anônimo I e Anônimo 2
Obrigado pelos comentários e pela força e belas palavras de vocês.
Só peço que acompanhem mais um pouco as Cartas, pois como vocês viram essa já um tempo. Pode ser que algo tenha mudado.

Beatriz disse...

Um amor,é algo que nunca se esquece,mas se guarda com carinho. Se esse foi o fim,por que não tentar amar novamente?! ^-^ até o próximo post,amigo de deprê,Sam!

O Rei do Drama disse...

acho lindo quando o amor nao maltrata mais a gente, deixando essa sensação de que o que foi lindo está ali, preservado na memória.

Kelvin cardozo disse...

Olá Sam. Francamente não sei o que lhe dizer no meu ponto de vista amar é tão intenso que maltrata, mas sempre me falaram que o verdadeiro amor numa acaba, se acabar então não foi amor e sim uma paixão intensa (clichê eu sei). Mas não é assim que a vida é?
Ou talvez eu esteja sendo imaturo, querendo que seja como um conto de fadas, mas a vida não é assim. No meu humilde ponto de vista tem que ser forte para amar, e corajoso para correr atrás desse amor. O primeiro a quem damos nosso amor é sempre, mas intenso, eu tenho plena certeza.

Fred disse...

Doces lembranças - às vezes - impedem que o mundo acabe... hehe! Mandou bem, Samzito!

Sam Peregrine disse...

Beatrz, Rei e Fred,
Agradeço as palavras, mas essa estrada ainda tem muito chão pela frente, com muitas curvas e ladeiras...

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...