domingo, 21 de abril de 2013

Livre para amar

Livre apra amar 1

Durante muito tempo eu estive frio, sem me importar com nada. Não posso dizer que era triste, ou coisa assim, por nunca ter amado alguém, embora muitas vezes eu me sentisse sozinho. O que acontecia era que pra mim aquilo funcionada.

Eu não ligava se nunca tinha me apaixonado. Mais ainda. Se qualquer sinal aprontasse pra uma eminente paixão eu fugia pro outro lado como quem foge do fogo do inferno. E eu não sofria. Só seguia minha vidinha sem graça sem pensar muito no assunto.

Mas ai eu percebi como eu estava fazendo isso quase sem perceber. Estava perdendo oportunidades que não poderiam voltar. Na verdade, uma pessoa me ajudou a ver isso. Eu comecei a ver os sinais. “Pensando de mais na pessoa” ok, “toda hora quer ver ela” ok, “quando acontece algo já pensa em falar pra ela” ok.

Tá, eu estava me ferrando. Era complicado demais, ela era complicada demais. Eu sabia que era uma roubada. Ela gostava de outra pessoa, mas eu sabia como ele era idiota e que ela estava tentando esquecê-lo. Pensei “Que se (me) ferre! Foi ela quem disse pra eu parar de fugir!”

Resultado: eu me ferrei.

Mas isso foi bom. Eu aprendi que é bom amar, e se você não ligar de sofrer um pouco depois dá pra aproveitar bem o antes. Mesmo que não ganhe nada é bom ter o coração leve e feliz.

Comecei a vasculhar as memórias e descobrir a coisa que mais me assusta até hoje: eu já estive perdidamente apaixonado! Como eu posso ter deixado de notar que já amei, meu primeiro amor, desses que deixa uma coceirinha eterna no coração, é um eterno mistério pra mim. Acho que estava tão distraído, que nem me dei conta. Esse tipo de coisa acontece comigo.

Enfim, percebi que já amei perdidamente. Talvez ainda amasse. Foi o que eu pensei. Mas ai pensei mais e percebi que talvez não amasse mais. Mas ai tem horas que eu penso que sim. Mas depois esqueço disso. Meu coração ainda não decidiu.

Livre para amar 2

Ainda assim penso que é bom amar, mesmo que a pessoa nem saiba. Eu fico com o coração leve. Só é ruim ter que controlar a vontade de pular no pescoço quando a pessoa passa por perto e o ciúme de ver ela feliz com outa pessoa. “Eu poderia fazê-la feliz de verdade”. Mas nem tive a oportunidade e provavelmente não terei pois prefiro ficar em silêncio. Eu tenho os meus motivos.

Agora eu estou livre. Livre pra amar e ser amado. Aquelas amarras que me prendiam, que eu me prendia, já não existem. E foi graças a uma decepção. É como dizem por ai: o que não te mata, te fortalece.

4 Cochichos atrás da porta:

O Rei do Drama disse...

eu vivo dizendo isso: "É melhor amar do que ser amado". Amando, nos transformarmos, ofertamos o melhor de nós e só sendo amados, não damos nada, só recebemos. O ideal é a troca, a cumplicidade, mas se não tiver, prefiro amar que ser amado.
adorei seu espaço, me vi em um pouco dos textos que li.
bjao

Rafael M. disse...

"...é bom amar, e se você não ligar de sofrer um pouco depois..." Mas o foda é que às vezes esse pouco vira muito, vira demais, muito mais do que a gente consegue aguentar. Ainda assim, aconselho a correr o risco.

Anônimo disse...

Amar é sofrer ... :3

Fred disse...

São dos ditos "males que vem pra bem"... problema que às vezes a gente gosta é do mal mesmo... hehehe! "Que se (me) ferre" é meu mantra! Hugzones, Sam!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...