segunda-feira, 11 de março de 2013

Ser diferente é estranho

Ser diferente é estranho

Eu simplesmente sou muito estranho.

Já cansei de ouvir isso de outras pessoas. Eu nem precisava que as pessoas ficassem me lembrando isso. Eu consigo ter uma ótima visão de como eu sou por fora. Eu sei que não sou do tipo padrão.

A coisa que as pessoas mais acham estranho, com certeza, é o fato de eu anda ser virgem. Mas o que elas muitas vezes não percebem é que isso é só uma única coisa. Pra mim na verdade não é assim tão importante. Não porque eu não queira fazer sexo, ou acho que isso seja dispensável na vida de alguém. É que isso é só a causa, não a consequência do ser estranho que eu sou.

Deixa eu explicar. Eu não sou nenhum mutante grotesco horripilante assexuado sem coração. Mas é que eu penso diferente. Eu ajo diferente. Eu sou diferente. Só. Não sei explicar.

Eu sabia disso desde pequeno. Acho que essa consciência veio comigo junto com a minha própria consciência de ser humano. Eu sabia de alguma forma que era diferente porque eu não me encaixava em nada, nenhum grupo. Nem na escola, nem na minha própria família.

Eu não possuía muitos amigos. Ao que parecia, as crianças não gostavam muito de se associar comigo. Ai aos poucos fui descobrindo pessoas estranhas, não como eu, mas estranhas ao seu próprio modo. Esses foram os meus primeiros amigos.

Eu pensava diferente, vivia com a cabeça nas nuvens, era distraído demais, gostava de coisas não habituais, não me interessava por coisas que eu deveria e não suportava a maioria das crianças na escola, as que deveriam ser minhas amiguinhas. Minhas brincadeiras eram diferentes, introspectivas. Por isso e por não ter muitas crianças por perto (as que tinha eu espantava), eu brincava muito sozinho.

A TV era uma companheira habitual. Nada de censura. Eu podia ver até o Corujão se aguentasse ficar acordado. O politicamente correto ainda não era moda quando eu era criança. Acho que isso deve reflexos no meu desenvolvimento.

Assim eu cresci. Estranho e consciente da condição.

Chegou a pré-adolescência. Aquela época em que todas as crianças começam a se interessar pelo sexo oposto. Mas eu estava lá sendo fiel aos meus princípios. Não dava bola nenhuma pra ninguém. A verdade é que meu corpo foi sempre muito lerdo. Minha puberdade começou muito tarde e isso se reflete até hoje.

Eu sentia que não era a hora de nada daquilo e não tinha pessoa que pudesse me convencer do contrário. Eu ainda era criança e não sentia interesse nenhum em nada daquilo que parecia empolgar todos os meus colegas. Quando uma menina vinha toda interessada em algo mais que amizade eu pulava fora me fazendo de desentendido. Eu só não queria entrar em algo que eu nem compreendia e nem tinha curiosidade ainda. Deixaria pra fazer as coisas na hora certa.

Hoje algumas pessoas me chamam de maduro. Ou precoce, esse tipo de coisa. Não que eu concorde com os adjetivos. Mas eu não fui precoce no campo sexual. E maturidade nunca me ajudou a ser normal.

Sobre a minha virgindade, o fato é que eu não fiz sexo ainda porque não me sentia preparado. Só. Não foram questões religiosas, não estou esperando o príncipe ou princesa encantada, não foi porque ninguém quis, nem porque eu não sinto vontade. Eu só não encontrei a pessoas certa na hora certa.

Mesmo assim, sinto que a espera foi bom pra mim, embora eu tenha perdido muita coisa boa na minha vida por conta disso. Eu não estava só despreparado pra fazer sexo. É mais que isso. Eu estava despreparado para estar com alguém.

Eu simplesmente sou muito estranho.

Mas sabe, eu não ligo.

8 Cochichos atrás da porta:

Raphael Martins disse...

Cada um tem seu tempo. E também a geração era outra. Hoje, tudo ocorre muito rápido e precipitadamente.

Dama de Cinzas disse...

Um amigo me indicou seu blog, e acho que ser diferente é algo de que entendo bastante... rs.

Sempre fui muito na minha também, nunca gostei muito de grupos, sempre fui de poucas pessoas, mas ao contrário de você, minha vida sexual começou muito cedo, de forma que não escolhi e depois quando pude escolher, também foi cedo... rs.

Mas tenho uma grande amiga que foi virgem até os 35 anos, chegou uma época que isso pesava muito para ela e acabou saindo com o primeiro que apareceu, não foi legal, segundo o que ela me disse, mas foi válido porque naquele momento era o que ela precisava.

Seu momento vai chegar e você sentirá.

Beijocas

Sam Peregrine disse...

Raphael,
Concordo com cada um ter seu tempo, mas quando você destoa muito da maioria das pessoas você passa a ser considera estranho. E na minha infância as coisas já aconteciam bem rápido também, só eu era o lerdo rsrs.

Sam Peregrine disse...

Dama,
você não sabe como eu fico feliz do meu blog ter sido alvo de indicações :D
Passei pelo seu blog, e também adorei. Obrigado pelo comentário. Sinto que meu momento já chegou ;)

O Rei do Drama disse...

As vezes leio seus textos e me parece escrito pra mim. Talvez até por mim mesmo, e me assusta. Fico vendo minha vida por uma lente, e não mais pelo vitral que coloco para vê-la de forma colorida. E não é que você pareça somente maduro, mas consciente de sua realidade e não só dos desejos.
No momento estou feliz, pois parece que estou lendo um blog do meu eu jovem (se existisse blog quando eu era jovem) e tenho o desejo de fazer tudo certo nessa vida (a sua) me afastando dos erros que cometi.
Um beijo

Sam Peregrine disse...

Dramma,
Obrigado pelos elogios, consegui até me deixar vermelho rsrs.
Também gosto muito do seu blog e me identifico com ele. Talvez ele até seja uma visão do meu eu no futuro rsrs.
Espero que continue gostando.

Anônimo disse...

Kara vc é D+

Gostei da ditadura da cueca

rgssp@outlook.com

rgssp

Dominus disse...

Eu fui uma criança e um adolescente muito parecido com você nos aspectos que você colocou no texto. E também sou "estranho".

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...